Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Vale a pena investir em influenciadores digitais?

Adriano Nodari

No mundo digital, as mudanças não param de acontecer e no que se refere à divulgação das marcas, muitas empresas têm recorrido a vincular a marca a um digital influencer de peso. Mas será mesmo que investir em influenciadores digitais pode ser uma boa para o seu negócio?

Primeiro entenda quem é o digital influencer. Basicamente são pessoas que têm um alto grau de influência nas redes sociais, essas pessoas podem ser blogueiras, instagrammers, youtubers, entre outras. Quando o assunto é divulgar uma marca, o time de comunicação de muitas empresas já planeja entre as ações de marketing, atrelar a imagem da empresa a algum digital influencer.

Para que alguém tenha esse título de influenciador digital é preciso ter mais do que seguidores, é preciso engajar o público, gerar muitas interações positivas, precisa repassar credibilidade, ter alto poder de carisma e convencimento do público.

São muitas as áreas de atuação dos influencers digitais: moda, beleza, comportamento, educação, entretenimento, entre outros. Cabe ao negócio ir em busca do influenciador digital que represente o seu segmento de atuação no mercado. Mas é só isso? Encontrar um influenciador digital e pedir para que fale da sua marca? Não, não é bem assim.

O que vai definir se vale a pena investir em influenciadores digitais é o grau de sintonia que poderá ser estabelecido entre o digital influencer e a marca.

Confira: Desafios do marketing empresarial para os pequenos negócios

Exemplos de engajamento de influenciadores digitais junto a marcas

Um exemplo legal que tem tido uma maior repercussão nos últimos meses é o da TAG (confira). Basicamente, a TAG funciona como um clube do livro, em que kits literários são entregues na porta da casa de cada associado. As pessoas que assinam o serviço não sabem quais livros receberão. As obras são escolhidas por reconhecidos escritores que selecionam os livros para cada associado.

Tomando como exemplo a TAG, a divulgação dessa marca já foi realizada por alguns youtubers como Julia Tolezano, do canal Jout Jout e Tatiana Feltrin, ‘booktuber’. A TAG escolheu dois perfis que se encaixam à proposta da marca. No canal da Jout Jout, a ideia é abordar temas relacionados a comportamento, temas em destaque na sociedade e o intuito é sempre propor a discussão desses temas com os assinantes do canal. Já o canal da Tatiana Feltrin é de temática totalmente segmentada para o universo literário, a ‘booktuber’ já faz especificamente vídeos apresentando a resenha de livros.

Outro case de sucesso é o do youtuber Sérgio Rocha e da marca Adidas. Sérgio Rocha é jornalista e esportista e nutre pela corrida grande paixão há 21 anos. Tem um público específico consumidor de seu conteúdo. Depois da parceria com a Adidas, a maneira de abordagem do youtuber em nada mudou com o público. O resultado da parceria? Sucesso.

A Adidas em nada influenciou o youtuber na criação de conteúdo, tanto é que Sérgio chegou a fazer um teste com um tênis que iria ser lançado, e de uma nota de 1 a 5, deu 2 para o produto e quando estava participando de um evento durante as Olimpíadas, encontrou um representante da Adidas, que o elogiou por ter dado uma nota baixa ao produto, o que mostrava que a relação que o youtuber mantinha com a marca era de sinceridade.

Entenda sobre a relação dos influenciadores digitais junto ao público

Há não muito tempo atrás, as marcas recorriam a quem? Geralmente às celebridades, mas no marketing de divulgação nem sempre funcionava, porque muitas vezes o público percebia que não existia relação alguma entre aquele (a) artista com aquela marca.

Quer um exemplo? Uma marca de detergente escolher uma apresentadora de TV, que está sempre com as unhas impecáveis e que faz uma foto, totalmente artificial, com a pia já limpa, com as unhas impecáveis, lavando uma louça também já limpa. Outro exemplo é escolher um ator completamente malhado para fazer uma propaganda de um produto emagrecedor, sendo que visivelmente esse artista não precisa emagrecer.

O que muda quando uma empresa escolhe um microinfluenciador (com um público totalmente específico e número reduzido de seguidores ‘cerca de 10 mil’) ou um  grande influenciador,  é que essas pessoas têm uma maior proximidade com o público, a ponto de estabelecer uma relação quase de amizade. E quando se opta por divulgar uma marca com um digital influencer é preciso esquecer os roteiros e scripts e deixar por conta do influenciador a comunicação com o público.

Tudo vai depender muito das necessidades do negócio. Se uma empresa deseja fortalecer a sua marca, por exemplo, procurar por um grande influenciador é o mais indicado, que claro, pertença ao segmento de atuação do negócio e que tenha uma audiência que esteja relacionada ao público-alvo.Mas se for um caso em que o objetivo seja o aumento de vendas, recorrer a um microinfluenciador, com um público bem mais específico é mais indicado.

Se você tem uma agência de viagens, por exemplo, e deseja aumentar as vendas de passagens e pacotes, procurar por um microinfluenciador com um público bem segmentado é o mais indicado. Por que procurar por um digital influencer com público menor? Porque a audiência, apesar de bem segmentada, é bem mais fiel àquele conteúdo, esse microinfluenciador é um especialista no tema que escolheu abordar, isso ajuda muito quando o intuito é vender, porque as chances de atingir o público certo são bem maiores.

Acredito que sim, vale muito a pena investir em influenciadores digitais, mas é preciso alinhar o time de comunicação para a melhor escolha.