Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Gestão por Competência – Seleção e treinamento com foco na estratégia e resultados 

O tema gestão por competência tem sido muito discutido na contratação de funcionários no ambiente corporativo. Afinal, diplomas não bastam para garantir bons resultados em espaços cada vez mais dinâmicos, competitivos e em constante atualização.

Existem mais pessoas formadas segundo o último levantamento realizado pelo IBGE com aumento de 4,4% para 7,9%. Os estados com maior concentração de diplomas são Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em contrapartida, de acordo com a pesquisa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) o Brasil é o 3º país com maior carência de trabalhadores qualificados, ficando atrás da Índia e Japão.

Há um aumento da população brasileira com diploma, mas diante das transformações constantes geradas pelo universo digital e globalizado, o recrutamento de funcionários também vai exigir mudanças.

C.H.A – Como essa sigla contribui na gestão de talentos?  

A sigla (C.H.A) ganha destaque, pois auxilia de forma precisa nas contratações, treinamentos e capacitações. A letra (C) inclui Conhecimento, (H) Habilidades, (A) Atitudes.

Todo o Conhecimento em avaliação será a partir da experiência acadêmica e teórica. A Habilidade inclui o conhecimento em prática, tal como o domínio das ferramentas de trabalho. Já a Atitude são as características pessoais do entrevistado, comportamento humano e experiências que moldam a forma de agir.

A psicóloga e consultora em Gestão de Pessoas, Luana Nodari, explica que é possível contar com os testes psicológicos para identificar as características do entrevistado e confirmar as competências.

Por que os testes psicológicos e a avaliação C.H.A são importantes no cenário atual?

É comum empresas deixarem de lado os testes psicológicos e partir para as entrevistas com teor totalmente pessoal. A especialista ressalta que esse erro é frequente durante a contratação, pois avalia-se a simpatia, habilidade para comunicar sobre o trabalho, excluindo as capacidades práticas levantadas pelo C.H.A.

Empresas possuem persona

A empresa hoje possui uma identidade e busca essas características também nos funcionários. O Google é um exemplo quando falamos sobre a criatividade em gestão de pessoas, dinamismo, descontração e flexibilidade.

Além de atender as necessidades para execução de determinadas tarefas, o empregado – independente do cargo – precisa se enquadrar ao perfil corporativo.

“Pode ocorrer do entrevistado não se enquadrar para o perfil da vaga, mas possuir habilidades pessoais e técnicas que se encaixam com outras necessidades da empresa. É possível nesse caso, oferecer oportunidade em outra função”, orienta.

Ser pessoal ou racional? Posso unir essas características na hora da contratação?

A especialista em Gestão de Pessoas orienta equilibrar os aspectos da personalidade do entrevistado junto às habilidades e competências. “É essencial que o entrevistador saiba relacionar de forma lógica os resultados obtidos nos testes e as informações apresentadas na entrevista para entender em qual atividade a pessoa se sairia melhor”, explica.

O Conhecimento, a Habilidade e a Atitude avalia o candidato conforme sua competência para a função, o que não exclui as habilidades pessoais tão valorizadas e necessárias no ambiente corporativo. “Atualmente o profissional autêntico, pró-ativo e capaz de apontar os resultados alcançados de forma clara ganha destaque. Quem não se mostra, não é visto”, alerta.

Treinar para desenvolver competências

A gestão por competência vai exigir investimento de tempo e atenção da equipe de Recursos Humanos e na gestão estratégica de pessoas. O grupo de treinamento auxilia no desenvolvimento das competências pessoais e profissionais com foco na produtividade, criação e resultados.

Definir as competências em cada empregado é essencial para construção de toda a empresa. Lembre-se que a equipe é a marca, registro e serviço oferecido. Treinar é investir, sempre!