Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Passo a passo para criar uma planilha de precificação de produtos

Precificar produtos é um dilema enfrentado por boa parte dos empreendedores que estão em fase inicial do negócio. Para auxiliar nessa tarefa uma planilha de precificação de produtos bem elaborada é fundamental para evitar prejuízos e contribuir com a organização financeira do fluxo de caixa.

Contamos com a orientação do consultor empresaria, Adriano Nodari, sobre as etapas e tipos de planilha de precificação de produtos. Saiba o que precisa avaliar, incluir e levar em conta durante essa tarefa. Confira.

Passo principal – defina todos os custos

Como encontrar as despesas fixas?

Nas despesas fixas vai incluir todos os gastos vitais para a empresa, como aluguel, salário dos funcionários, água, luz, telefone, entre outros. Esses gastos precisam ser arcados mensalmente, mesmo que a empresa não obtenha lucros e são considerados imprescindíveis.

Veja: Como criar o marketing de relacionamento e a fidelização de clientes

O que são despesas variáveis?

Como o nome já diz são despesas que variam e dependem da movimentação em vendas do negócio. Aqui podemos incluir gastos com matéria-prima, mão de obra – em casos de pagamento de hora extra para funcionários, energia elétrica, e outros fatores.

Quanto mais vendas e movimentação no fluxo de caixa, maiores serão as despesas variáveis. “Nesse caso você irá avaliar o imposto sobre cada produto ou serviço mais a comissão gerada sob cada venda”, explica o consultor.

Como criar uma planilha de precificação de produtos?

  1. Organize o cadastro de produtos

O primeiro passo será registrar todos os itens na planilha de precificação de produtos. Irá anotar mercadorias que saem do estoque, abastecimento e data de chegada, entre outros. Essa tarefa deve ser diária, assim não só terá o controle financeiro, como vai saber o momento exato de reabastecimento.

  1. Faça registros de todas as movimentações

É crucial manter todas as movimentações em dia, pois assim têm as informações facilitadas em casos de encomenda por parte do cliente ou mesmo uma solicitação inesperada.

Lembrando que quanto mais produto a empresa comercializar, mais urgente é a organização do estoque e a necessidade da planilha.

  1. Acrescente na planilha informações cruciais, como:

  • Nome dos itens
  • Fornecedor
  • Custo unitário
  • Descrição como peso, volume
  • Quantidade recebida
  • Quantidade presente em estoque
  • Preço de venda
  1. Siga padrões nas anotações

Manter uma planilha de anotações é uma forma muito prática de organizar as vendas e precificações, mas nada adianta se essa planilha estiver fora de ordem e com informações desconexas e de difícil compreensão por parte da equipe.

Reforce sempre a importância da clareza ao anotar os dados e padronize todas as informações, com siglas, anotações claras e sucintas e uma linguagem padrão.

Na hora de precificar o seu produto existem alguns modelos que variam conforme o perfil do negócio e o momento financeiro da empresa. Aqui vamos apresentar alguns exemplos.

Exemplos de precificação de produtos para diferentes serviços

Mark-up

No método mark-up o gestor financeiro explica que é preciso analisar os custos fixos e também variáveis, além da margem de lucro. Esse é um dos métodos mais aplicados na precificação e inclui todos os custos e despesas (fixos e variáveis), como também as cargas tributárias.

 “No mark-up o preço do produto ou serviço será formado por meio de um índice que inclui não só o valor do produto ou serviço unitário, como uma possível margem de lucro. Portanto é imprescindível incluir impostos que interferem no preço da mercadoria”, orienta o consultor.

No Sebrae pode baixar gratuitamente uma planilha de precificação de produtos muito importante para certificação de que o negócio está dando lucro ou com dificuldades financeiras. Confira aqui.

Precificação por concorrência

O método de precificação por concorrência, como o próprio nome diz, é ideal para gerar competitividade por meio dos preços. Ao aplicar você deve definir o preço igual ao da concorrência, abaixo ou na média da concorrência direta.

Existem alguns serviços/vendas indicados para aplicar esse tipo de planilha de precificação de produtos, como:

  • Produtos alimentícios com alto valor agregado. Exemplo: indústria gourmet
  • Alto giro
  • Produtos que passam por sazonalidade
  • Identificação imediata – ideal para clientes que memorizam preços
  • Direcionado para produtos que geram compras impulsivas

Margem bruta ou de contribuição

Alguns produtos com baixo valor agregado não possuem forte identificação pelo cliente, por exemplo, serviços pouco conhecidos ou produto comercializado por empresas que ainda não são “famosas” em determinada região.

“Nesse método será considerado a quantidade de vendas, pois o ganho será bruto. O total dos lucros será em decorrência do resultado do valor das vendas menos o custo com as despesas variáveis”, explica Nodari.

 Demanda ou alto valor

Há aqueles produtos difíceis de serem encontrados ou com alto valor agregado, nesse caso a planilha de precificação de produtos ideal será a por demanda. “Geralmente esse produto ou serviço é muito valorizado pelo cliente, logo ele está disposto a pagar aquilo de acordo com a importância pessoal”, acrescenta o consultor.

Leia também: Controle do fluxo de caixa é determinante nas finanças do negócio; entenda

Segundo Nodari alguns exemplos de produtos que seguem a precificação por demanda são aqueles que possuem autenticidade, alta qualidade e atendimento personalizado para clientes específicos.