Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Veja as 5 principais dificuldades na gestão de uma empresa

Empreender tem sido uma oportunidade ou necessidade para muitos brasileiros. Além da burocracia para obtenção de crédito e abertura do negócio, existe a dificuldade na gestão de uma empresa e a falta de conhecimento ou experiência nesse setor. O principal conflito e dificuldade na hora de gerir o próprio negócio está relacionado às finanças.

De acordo com a última pesquisa realizada pelo Serasa em 2017, entre 17 milhões dos pequenos e médios negócios no país, um terço apresenta problemas financeiros.

Aqui vamos falar quais são os principais conflitos que podem gerar dificuldade na gestão de uma empresa e embaraços no caixa. Contamos com as orientações do consultor empresarial, Adriano Nodari. Acompanhe.

1. Falta de conhecimento sobre gestão financeira

Um dos problemas do empreendedorismo no Brasil é o modo como esse interesse é despertado na população. Atualmente o índice de desemprego é um dos maiores nos últimos dez anos.

Segundo o IBGE a queda foi acentuada na indústria de 2,7% afetando 327 mil pessoas, na construção em 5,6% e 389 mil trabalhadores e no comércio em 2,2% desempregando aproximadamente 396 mil cidadãos.

Diante desse montante de pessoas que buscam alternativas para suprir as necessidades financeiras, o empreendedorismo, assim como o trabalho informal é urgente, e quase nunca planejado.

“Boa parte das micro e pequenas empresas no Brasil desconhecem as premissas básicas sobre gestão e finanças. É comum só ouvirem falar de planejamento estratégico após o embaraço financeiro”, alerta o consultor.

O despreparo é o principal problema dos pequenos empresários no Brasil. Segundo Nodari, infelizmente caminhamos a passos lentos nessa etapa, visto que a educação financeira e o empreendedorismo são temas que merecem mais atenção, não só em cenários de desemprego, o que acaba gerando dificuldade na gestão de uma empresa, caso esse seja o objetivo.

“Gosto de ressaltar que empreender é uma vocação, requer treino e estudo, como em qualquer profissão. O empresário inexperiente necessita buscar preparo e conhecimento para que o seu negócio decole, caso contrário, em algum momento vai ter dificuldade na gestão financeira”, orienta o consultor.

2. Descontrole no fluxo de caixa

Já que o tema é dificuldade na gestão de uma empresa, o fluxo de caixa não poderia ficar de fora. O controle do fluxo de caixa é uma atividade imprescindível no dia a dia, através dele é possível considerar gastos futuros e prever a entrada e saída de dinheiro para eventuais pagamentos.

No entanto, o empresário inexperiente muitas vezes se descuida desse setor, o que é uma porta de entrada para dívidas e complicações financeiras, segundo o consultor empresarial.

“A tarefa do controle do fluxo de caixa é preservar o capital de giro da empresa. Essa organização vai levar em conta todos os gastos, assim como a reposição da mercadoria, pagamento de contas, tributos e acertos com o fornecedor”, explica.

Saiba mais aqui: Controle do fluxo de caixa  é determinante nas finanças do negócio.

O fluxo de caixa é uma espécie de visão ampla de todos os gastos e compromissos financeiros da empresa, uma lição diária para qualquer negócio. Graças ao avanço em softwares online personalizados, você pode otimizar essa atividade e contar com excelentes programas de gestão de fluxo de caixa.

O consultor empresarial ressalta que os softwares de gestão são úteis para organizar sem aberturas para erros ou esquecimentos. Essa é a principal vantagem de otimizar as finanças, por outro lado, o empresário necessita obter o conhecimento em cada etapa.

“E há ainda o fator disciplina para colocar os dados no sistema, pois só ter o software significará mais despesas sem retorno.”, acrescenta.

3. Ausência de planejamento estratégico

Durante a empolgação e ansiedade de ver o negócio atuando no mercado, é muito comum esquecer o planejamento estratégico. A organização estratégica é essencial para definir metas, direcionar as atividades da empresa com foco , elaborar um sistema eficiente de atendimento ao cliente, além de acompanhar se a empresa está no rumo certo.

A falta de organização é outro grande problema que gera a dificuldade na gestão de uma empresa, uma vez que o péssimo atendimento ou a ausência de gestão de estoque coloca em xeque a produtividade e reputação da empresa.

4. Falta de conhecimento sobre o setor de atuação

Estudar a fundo e pesquisar o setor em que deseja abrir o seu negócio é tão importante quanto o capital para a abertura. “No empreendedorismo todas as etapas merecem atenção, nenhum assunto é isolado do outro quando falamos de gestão de negócios”, acrescenta Nodari.

Outro fator sério que gera futuramente a dificuldade na gestão de uma empresa é a falta de conhecimento e despreparo para atuar no setor escolhido. O consultor empresarial diz que pode acontecer do empresário se empolgar por uma área que aparece em alta no mercado, por exemplo, o segmento farmacêutico, mas não possuir nenhum conhecimento ou afinidade nesse setor.

“Na hora de escolher o ramo em que pretende atuar é preciso além de ter afinidade, estar ciente de que vai estudar constantemente esse nicho. Fará parte de toda a sua jornada no negócio. Não leve em conta apenas dados, mas a sua vocação para a atividade”, pontua.

5. Ausência de treinamento e capacitação da equipe

Não pense que a dificuldade na gestão de uma empresa se restringe ao fluxo de caixa e endividamento. Os problemas começam a partir da ausência de planejamento, o que inclui a gestão de pessoas.

A capacitação da equipe é de suma importância, isso vale para pequenas e micro empresas. Todo o processo inicia-se na contratação dos colaboradores com perfil alinhado as diretrizes da empresa, até o treinamento adequado para executar a atividade.

Segundo o consultor empresarial o colaborador precisa estar ciente dos valores da empresa, a comunicação e todos os processos que fazem parte da sua rotina.

 “Treinamento não é útil só para ensinar determinada função, mas para agregar valor social, motivar e valorizar os colaboradores. Os resultados finais, sejam eles bons ou ruins, incluem todos os processos e pessoas”, orienta.