Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Reerguer a empresa das dívidas – saiba quais atitudes devem ser tomadas

O ano de 2018 não foi fácil para empresários que possuem pequenos negócios, portanto a busca por soluções para reerguer a empresa das dívidas está em alta.

De acordo com as últimas atualizações da Receita Federal foram mais de 556 mil pequenas e micro empresas em pendências financeiras com o órgão e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

A notificação é a seguinte: aqueles que não quitarem as dívidas no prazo de 30 dias serão excluídos do Simples Nacional, regime de recolhimento de impostos para pequenas e micro empresas. .

O que fazer para reerguer uma empresa das dívidas? O consultor empresarial, Adriano Nodari, faz uma lista de informações importantes que devem ser consideradas. Veja quais são as atitudes essenciais nesse momento.

Atente-se ao sinal amarelo, não espere pelo vermelho

Não existe uma única fórmula aplicável a todas as situações. Cada empresa está inclusa num cenário de dívidas. Sair da zona de crise é possível por meio das renegociações e ajustes nos gastos, há negócios que o fechamento é a decisão mais cabível, portanto é preciso avaliar cada contexto.

Confira: Soluções para melhorar os processos internos e gerar bons resultados

O sinal amarelo já indica alguns problemas, como: fluxo de caixa negativo há alguns meses, empréstimos constantes, pagamentos de juros, e por fim, uma eterna corda bamba para manter a empresa ativa.

“É muito importante atentar-se a estes sinais amarelos, não espere pela crise para buscar auxílio e reequilíbrio financeiro”, alerta Nodari.

As últimas atualizações de 2018 do Serasa Experian apontam que a demanda por crédito entre as pequenas empresas teve aumento de 4,1% em julho, comparado ao mesmo período do ano anterior. “Precisar de empréstimo para cobrir as despesas é o primeiro alerta”, completa.

O que indica que a minha empresa pode entrar no vermelho

  1. Falta de conhecimento básico sobre gestão empresarial por parte do administrador;
  2. Ausência de planejamento financeiro antes de realizar novos investimentos;
  3. Realizar investimentos desnecessários e que não são revertidos em receitas;
  4. Recorrer com frequência aos empréstimos bancários para cobrir os débitos;
  5. Falta de controle diário e mensal sobre registros de entrada e saída de receita, ou seja, o acompanhamento do fluxo de caixa;
  6. Considerar o preço baixo como a principal ferramenta para vencer a concorrência, desconsiderando o custo operacional;
  7. Estoque grande é sinônimo de dinheiro parado e falta de planejamento.

Bom, esses são apenas alguns exemplos, porém existem muitos outros praticados entre os negócios que se encontram com dificuldade financeira e buscam formas para reerguer a empresa das dívidas.

Não descarte o conhecimento mínimo sobre gestão: peça ajuda!  

Aqui vamos falar muito mais sobre prevenção, do que tirar a empresa das dívidas. Afinal, prevenir é uma atitude simples e sem dúvida irá proporcionar maior estabilidade para o seu negócio.

A gestão amadora e inexperiente ainda é a maior razão para o fechamento da empresa, mesmo o país não estando com a melhor situação positiva econômica e política. Independente dos fatores externos, a organização interna faz total diferença.

Leia: Como melhorar o fluxo de caixa – Confira dicas fundamentais

Finanças no vermelho é comum principalmente nos pequenos negócios. Aqui podemos considerar não só a inexperiência ou falta de habilidade na gestão, mas o quadro de funcionários bem enxuto e a carga maior de tarefas e sobrecarga na responsabilidade do empresário.

Antes de abrir o seu negócio ou diante de uma dúvida na gestão administrativa, não necessariamente um problema financeiro, não descarte o conhecimento e o auxílio de consultores empresariais capacitados para ajudar.

Através do conhecimento, com o tempo, o empresário adquire todas as habilidades essenciais para manter o equilíbrio nas finanças da empresa e maior segurança em tomadas de decisões futuras.

Atitudes para reerguer a empresa das dívidas

Reduzir as despesas: após avaliar todo o panorama de gastos é hora de adquirir um olhar clínico e eliminar as despesas desnecessárias e tudo o que não gera receita;

Diminua o estoque: produto parado é dinheiro parado! Organize o estoque e dê prioridade para os produtos de maior giro no comércio;

Equipe treinada e enxuta: o quadro de funcionários é muito importante. Não leve em conta quantidade de colaboradores, mas o treinamento e o quanto a equipe está engajada em apontar soluções, tal como cooperar.

“Quadro de funcionários é uma das etapas do planejamento empresarial e de responsabilidade do empreendedor. Saiba administrar também a sua equipe, realizar seleções com inteligência e assertividade”, aconselha o consultor.

Leia também: Veja as 5 principais dificuldades na gestão de uma empresa

Abandonar de uma vez por todas os empréstimos, renegociar aqueles que existem e deixar essa opção para o último caso. De acordo com Nodari o maior erro ao realizar um empréstimo é a precipitação.

“O empresário nem sempre faz a pesquisa correta sobre a melhor opção de crédito e juros para a sua situação, além de muitas vezes, ignorar o planejamento financeiro e o fluxo de caixa da empresa”, sinaliza.