Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Por que 2019 será o ano do Compliance no Brasil?

Talvez tenha ouvido falar em compliance, mas ainda não compreenda profundamente sobre o tema. Essa palavra deriva do termo em inglês ‘to comply’, que quer dizer ‘estar de acordo’ com uma regra. Resumindo, compliance se refere aos negócios que estão de acordo com as leis e regulamentações. Mas há algumas questões em torno do compliance no Brasil que merecem destaque.

O consultor, Adriano Nodari, esclarece que o cenário atual político e econômico brasileiro refletem sobre a maneira como o conceito de compliance fará parte das empresas em 2019. Nas últimas eleições e com o surgimento de cada vez mais notícias sobre corrupção e crimes financeiros, que recaem sobre a reputação do Brasil no cenário global, é de suma importância que o empreendedor pratique o compliance.

“Independentemente do porte e setor da empresa, é fundamental que os negócios estejam de acordo com as regras dos órgãos reguladores. O negócio precisa cumprir com as normativas internas e estender essa prática de conformidade legislativa ao compliance nas áreas: ambiental, trabalhista, financeira, de segurança, contábil, entre outras”, alerta o especialista.

Outro ponto importante dentre os benefícios do compliance nos negócios, segundo Nodari, é que a empresa colocando esse conceito em prática estará garantindo a sua credibilidade frente ao mercado. O conceito de compliance gera valor a uma empresa.

Confira: “Empresário cidadão”: responsabilidade social nas pequenas empresas

Por que 2019 será um ano importante para o compliance no Brasil?

Com tantos escândalos envolvendo a política brasileira, que em contrapartida levou ao avanço da operação Lava Jato, resultando em condenações, prisões e ações punitivas a negócios ligados a órgãos públicos, envolvidos em esquemas ilegais, o governo brasileiro está mais rigoroso contra a corrupção. Isso tem contribuído para o fortalecimento do Sistema de Integridade, ou seja, para a prática do compliance no país.

Ano passado foi divulgada a pesquisa ‘Integridade Corporativa no Brasil – Evolução do compliance e das boas práticas empresariais nos últimos anos’ (confira). O estudo foi realizado pela Deloitte junto à International Chamber of Commerce – Brasil (ICC Brasil). Foram ouvidas para esse estudo mais de duzentas empresas de inúmeros segmentos, com um faturamento maior que R$ 50 milhões.

O que se pretendia com essa pesquisa era avaliar a aderência de 30 práticas de compliance (desde as consideradas essenciais até aquelas consideradas mais sofisticadas). Entre os anos de 2012 e 2014, apenas 24% dessas empresas aderiram a 15 das práticas mencionadas, já entre 2015 e 2017, houve aumento deste percentual para 46%. Estima-se que até 2020, se alcance um índice de aproximadamente 65%.

Já dentre as empresas com faturamento superior a 100 milhões, o percentual sobre para 53%. Segundo Nodari, esse aumento previsto para 2020 é um reflexo do desejo das empresas de se protegerem no mercado, estando de acordo com as práticas que garantem a sua integridade e transparência, mas também é um desejo de se posicionar frente ao mercado global, já que o que tem acontecido na política e economia brasileira tem influenciado ‘negativamente’ na maneira como o país é enxergado pelo mundo.

“A adoção do compliance é de certa forma uma prática de ‘se limpar’, de que um negócio se mostre isento diante de um cenário tão conturbado. Mas vale destacar que aderir ao compliance ajuda na redução de custos e despesas e previne perdas”, explica o consultor.

Veja também: Economia começa com expectativa boa em 2019

Principais benefícios do compliance nos negócios

  • Atua na promoção positiva da imagem da empresa;
  • A equipe que faz parte do negócio se sente mais satisfeita, afinal, é mais satisfatório atuar em uma empresa que cumpre todas as regulamentações previstas em lei;
  • Um negócio que adere ao conceito de compliance tem melhora na retenção de talentos;
  • Uma empresa em conformidade com as normas tem muito mais facilidade para fechar novas e bem-sucedidas parcerias;
  • O negócio corre menos riscos tanto jurídicos quanto financeiros.