Mais informações: +55 11 2367-0029 ou contato@nodariconsultoria.com.br

Análise de Investimento Financeiro – Quando e como fazer?

A necessidade de criar novos negócios torna imprescindível a análise de investimentos financeiros. Antes de apostar na inovação ou expansão dos investimentos é preciso avaliar o cenário, retorno do capital investido e a viabilidade do investimento no negócio.

Capital mal investido é sinônimo de prejuízo podendo colocar em cheque tudo o que a empresa já consolidou. O consultor empresarial Adriano Nodari orienta como evitar os saldos negativos após o investimento e uma maneira simples de realizar a análise de viabilidade sozinho ou com auxílio de um contador.

Quando é necessária a análise de investimentos financeiros?

Principalmente os investimentos que darão resultados a longo prazo merecem maior atenção. Em algum momento por razões como atualizações na logística, infraestrutura ou por desgaste dos itens essenciais na empresa, o investimento será necessário.

Confira: Como reduzir custos na empresa de forma simples e inteligente? 

Com o projeto em mãos o gestor deve avaliar se a proposta trará retornos positivos para a empresa. Alguns  como parâmetros: ações, poupanças, títulos e outros possíveis investimentos. Nenhum empresário ao realizar aplicações  pretende perder o valor, portanto é preciso estudar a proposta.

De acordo com o consultor empresarial no mundo dos negócios existem inúmeros tipos de investimento como: maquinário, parque fabril, novas lojas, marketing, novos produtos, etc. Portanto, o empreendedor deve escolher onde aplicar o dinheiro visando o maior lucro e o menor risco.

“A análise de investimento consiste em técnicas contábeis que identificam qual a melhor alocação de investimento por meio de cálculos e equações relativas ao ativo. Através dessa análise é possível identificar se existe rentabilidade, qual o seu valor e se o investimento é ou não positivo”, completa.

Na análise de investimento financeiro os métodos mais aplicados são: Payback, Valor Presente Líquido (VPL) e Taxa Interna de Retorno – TIR.

Veja a seguir as funções de cada método 

Payback

O  payback avalia dentro de um período estabelecido se vai existir retorno do investimento. Essa técnica determina qual será o tempo para recuperar a aplicação realizada. Para isso, o empresário irá somar o valor dos rendimentos durante todo o período até o momento em que os ganhos alcançarem o valor do capital investido.

É preciso considerar que quanto maior o tempo que o investidor tem para recuperar o valor, menos atrativo é a proposta.

“O payback é a primeira medida para avaliar o risco do investimento, neste período será quantificado o retorno obtido após a aplicação. Quando  o tempo de payback é menor que o tempo estabelecido para recuperar o capital, significa que o investimento é viável”.

Fórmula:

Payback = Investimento / Somatória dos Fluxo de Caixa Descontados

Se o Payback < tempo de retorno estimado à projeto viável

Se o Payback > tempo de retorno estimado à projeto inviável

O consultor empresaria explica que o payback é mais indicado para uma visão geral a ser analisada e tem seus pontos negativos. Uma vez que avalia o retorno obtido durante a fase payback, ignora os ganhos no fluxo de caixa após esse período. “Por essa razão a análise do Valor Presente Líquido é a mais recomendada”, recomenda.

Valor Presente Líquido (VPL)

A proposta desse indicador é avaliar se o investimento gerará retorno para a empresa do capital investido. Para chegar a esses valores serão calculados o fluxo de caixa livre e o desconto do custo de capital. Geralmente é estimado um período de 10 anos para o cálculo dos Fluxos de Caixa Livres.

Fórmula:

VPL = Somatória dos Fluxos de Caixa Livres Descontados (pelo custo de capital)

Exemplo de análise:

1- Investimento de R$ 600.000,00 e o VPL de R$ 550.000,00

Apesar da estimativa do investimento gerar lucro de R$ 550.0000,00, ele é menor que o capital investido de R$ 600.000,00. Portanto é um projeto inviável.

2- investimento de R$ 600.000,00 e o VPL de R$ 750.000,00

O projeto é viável, pois o valor do VPL é maior que o Investimento. Porém, a pergunta à ser feita é: esse retorno é justificável para investidores considerando o risco à ser corrido?

 Taxa Interna de Retorno (TIR)

A diferença do TIR para o VPL é que enquanto um aplica o indicador absoluto em moeda, o TIR atua com percentuais utilizando o fluxo de caixa acumulado.

Leia também: Controle do Fluxo de Caixa é determinante nas finanças do negócio; entenda 

Os percentuais aplicados no TIR são utilizados em diversos tipos de investimentos, como a poupança, por exemplo. Suponhamos que o TIR da sua empresa atingiu o percentual de 0,3% ao mês a e a poupança estiver investindo em 0,6% a melhor opção nesse caso é deixar o investimento do projeto para outro momento e guardar na poupança.

Fórmula:

I+ (Somatória FCj) / (1+TIR)n

I0 = Investimento Inicial

FCj = Fluxo de caixa líquido naquele período (por exemplo: ano)

n = Duração do projeto;

TIR – Taxa de desconto que faz com que o Valor Presente Líquido (VPL) seja zero;

Riscos que preciso avaliar antes do investimento financeiro:

  • Alterações na taxa de juros;
  • Atentar-se aos indicadores econômicos: confiança do consumidor, poupança, inflação, etc;
  • Crises financeiras e bancárias;
  • Crises políticas, escândalos e denúncias;
  • Oscilações no mercado internacional;
  • Alterações nas alíquotas de imposto pelo governo;
  • Riscos do país para os investidores internacionais;
  • Riscos financeiros que possam prejudicar a estrutura da empresa.

Veja: O que é margem de contribuição? Saiba como calcular